Mostrando postagens com marcador movimento umbandista. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador movimento umbandista. Mostrar todas as postagens

terça-feira, setembro 17, 2013

O MOVIMENTO QUE SE MOVIMENTA

Algumas pessoas tem me procurado por este imenso mundo virtual, inclusive buscado contato em outros blogs e até mesmo quando se deparam com algum comentário meu em outro meio.

Os poucos (20) inscritos neste canal há muito já perceberam que não o tenho atualizado, mas que o mantenho como arquivo de minhas impressões sobre o Movimento Umbandista nos últimos sete anos.

Algumas pessoas conseguiram meu email pessoal¹ e regularmente enviam "causos" sobre o que vem acontecendo pelos terreiros Brasil afora. Outros pedem apoio, querem saber se ainda tenho Casa aberta, pedem ajuda em relação a "isto ou aquilo" e assim vamos fazendo alguns contatos e, de longe, acompanhando as mudanças nesta "Umbanda de Todos Nós".

De tempos em tempos sinto vontade e necessidade de escrever aqui, mostrar ao mundo que estou vivo. Aliás, alguns de meus desafetos, "poderosos babás do santo rebolado", andaram dizendo que a "força" de suas "pembas" haviam me derrubado. Outros prometeram processar-me (o que nunca aconteceu) por conta de algumas verdades que aqui escrevi, mesmo que não tenha citado seus nomes.

Na verdade, me afastei da militância umbandista por vontade própria. Percebi que estava gastando muita energia com algo que, ao final das contas, não teria sentido, já que as pessoas preferem viver em uma ilusão mística ao invés de encarar a realidade que está defronte aos seus olhos.

Os descalabros perpetrados pelos "donos da Banda" se avolumam, as práticas de magia sexual, do tantrismo negro, orgias e giras de "exus" reservadas onde os médiuns "trabalham" nus, a "ordenha" de médiuns varões, dentre outras coisas, se tornaram lugar comum e muita gente continua aplaudindo e cantando loas à estas práticas. Enganadas? Não: coniventes.

Mesmo que esteja há muito sem atualizações e eu "sumido" do meio, este espaço recebe uma média de 70 visitas por dia. No ano de 2012 foram aproximadamente 26 mil acessos. Em sete anos, mais de 170 mil. Não fossem números tão significativos eu já teria deletado este espaço, mas como parece ainda ser útil o mantenho.

Este blog é uma espécie de "cápsula do tempo".

Os novos e antigos adeptos da religião podem acompanhar a evolução (?!?) da Umbanda nos últimos anos, em especial a lenta agonia da Raiz de Pai Guiné d'Angola, que ficou órfã de Mestres e adeptos sérios, da compra predatória dos direitos das obras de Matta e Silva por Francisco Rivas Neto, a deturpação de conceitos, a permissibilidade do que antes era proibido por "revelação do astral", a ascensão e queda de muitos "babás" e tudo mais.

Em tempos de Faculdade de Teologia Umbandista, passamos à uma religião acadêmica, com textos bem elaborados, verdadeiros tratados científicos que elitizam a classe dos "sacerdotes" e distancia a Umbanda da patuleia. De "Umbanda Pé no Chão", como defendia o finado e saudoso Babá Odonirê² (Flávio Sandry), temos hoje a "Umbanda do Capelo³" onde, além da Iniciação, o "verdadeiro" umbandista necessita de um diploma universitário para estar em contato com seus Orixás.

Mas, como dizem por ai, o "Movimento se movimenta". Não sei muito bem para onde ele está indo, mesmo porque não é raro termos notícias de rebanhos que se movimentaram até cair da beira do precipício.

Manah, Àsé e Bençãos.

Ricardo Machado
Mestre Ubajara

-------------------

1 - contatos com o autor vozesdearuanda@gmail.com

2 - Flávio Sandry, também conhecido como "Painn" e "Babá Odoniré", foi um Sacerdote de Umbanda Omolocô na cidade de Campinas, interior do Estado de São Paulo. Estava à frente da TUPAG (Tenda Umbandista Pai Antônio de Angola) e foi um militante ativo no Movimento Umbandista e formador de opinião em diversas listas de discussão nos anos 90 / 2000.

3 -
chapéu usado pelos universitários na cerimônia de colação de grau.

sexta-feira, outubro 28, 2011

60.000 PESSOAS DESDE 2006 - DA SÉRIE "UM IMAGEM VALE MAIS DO QUE MIL PALAVRAS"


quinta-feira, outubro 27, 2011

ESCREVER É PRECISO... OU NÃO?

Faz algum tempo (muito tempo) que não escrevo neste espaço e venho recebendo contatos de alguns leitores reclamando da falta de atualização e sugerindo temas a serem tratados.

Antes de mais nada, quero agradecer o carinho destas pessoas. Que este blog é (era) lido eu não tinha dúvidas, mas que existiam leitores fiéis, que levam em consideração minha opinião, sinceramente, foi uma grande e bem vinda surpresa.

Na sequência, tentarei explicar o motivo de não estar mais escrevendo aqui.

Acontece que o tal "Movimento Umbandista", há muito, em minha opinião, perdeu a razão de ser. Para se falar em "movimento" precisamos avançar (ou regredir) mas nunca, jamais, ficar no mesmo lugar. E o que vem acontecendo é que está tudo no mesmo lugar, sem novidades, sem dinamismo, sem mudanças.

Um rápido passeio pelas redes sociais e listas de discussões (sim, elas ainda existem) comprovam isto: Saraceni para lá, Rivas Neto para cá, FTU acolá, Colégio de Umbanda mais à frente, as mesmas picuinhas, os mesmos duelos, as mesmas falácias, enfim, o mesmo papo furado de sempre.

O que tem variado e, confesso, causado imensa surpresa, é a debandada de nomes de peso, gente "grande", de determinados terreiros, "ordens" e afins. Quando aqueles que são considerados "braços direitos" de alguém pulam do barco é sinal de que os porões estão inundados e o desastre é certo.

Tenho sentido falta, por exemplo, das manifestações calorosas de Mestre Aramaty e de seus bordões "ponto para a Umbanda" e "Mestre Arapiaga vive pela Umbanda e não dela". Em uma visita ao site da FTU, senti falta do nome do Mestre Araobatan como diretor daquela instituição de ensino. Há muito não ouço falar de Mestre Babajinan.

O problema de espaços vazios é que são preenchidos, em geral, por algo pior do que ali estava anteriormente. E esta regra, no caso, está sendo seguida à risca.

Mas sigamos em frente... meu próximo artigo será sobre o início da vida mediúnica. Falemos um pouco de doutrina para variar.

quarta-feira, setembro 14, 2011

DIFERENÇA ENTRE HOMENS E MOLEQUES

Depois de tantos anos achei que uma certa CORJA de ditos "umbandistas" haviam esquecido do meu nome, mas hoje tive a certeza que os covarde do santo rebolado continuam com uma rede de intrigas, fofocas e maledicências.

Já são 11 anos de conversa fiada com meu nome, com afirmações de venda de iniciações, golpes financeiros variados (até na Maçonaria) e outras cretinices próprias de covardes, maricas, gente da pior espécie e laia, muito deles escudados em títulos como "mestres de iniciação", "pais de santo", "mães de santo", "ogãs" e "alabês".

O que não entendo é o motivo de tanta conversa fiada, tanta maledicência, e neste tempo todo não ter um único processo civil ou criminal contra a minha pessoa. As tais "vítimas" (muitas, dezenas, de acordo com uns e outros) simplesmente venderam casas, carros, esvaziaram suas contas bancárias, até uma "Brasília" me deram por conta de "pagamento de iniciações", mas não foram atrás da polícia ou de um juiz para que eu respondesse por isto? 

Enquanto eu processei quase uma dúzia de idiotas, acabei com comunidades e perfis ofensivos contra mim no Orkut, blogs falsos no Blogspot, ganhei um bom dinheiro com estas ações, as "dezenas, centenas de vítimas" minhas quedaram-se estáticas, ficaram no prejuízo de "milhares de reais" (dizem por ai que cobrei R$ 30 mil reais por iniciações...) e não se uniram para me colocar na cadeia?

O engraçado é que o bandido sou eu, mas quando as intimações e citações começaram a pipocar, quando perfis e blogs fakes foram apagados por força de ordem judicial e os dados de VAGABUNDOS começaram a cair nas mãos da polícia e da Justiça começou uma debandada geral de RATOS saindo de comunidades e apagando perfis falsos.

Por outro lado, eu continuo no meio virtual, com nome, endereços, fotografias e já cheguei até a postar minha agenda neste espaço para qualquer VAGABUNDO(A) que queira me procurar e tirar satisfações comigo o faça. Aliás, meus endereços residencial/comercial são conhecidos, tanto que já teve gente procurando meu terreiro em minha casa.

Tenho passado ao largo do tal "movimento umbandista", não quero discípulos, não vivo "pela, para ou da" Umbanda como é o caso de Rivas Neto, não estou interessado a ir a programas de televisão para falar bobagens como foi o caso do Saraceni, assim como não vivo de livros, workshops, trabalhinhos particulares e tantas outras merdas que vemos todos os dias no meio.

Eu sou o MESTRE UBAJARA, o Canoeiro, Aquele que leva ao outro Lado... goste você disto ou não... acredite ou não... me reconheça ou não, aliás, reconhecimento que não quero e nem preciso. 

A minha Raiz é muito mais forte do que a daqueles que por anos me acusam, caluniam, difamam, já que eu estou de pé, prosperando em todos os sentidos, enquanto meus detratores fugiram como ratos, se esconderam como vermes, vivem de fama não merecida, de trabalhinhos e macumbinhas ou criando "Ordens" quer são verdadeiros antros do que de mais imundo há no astral inferior. 

Então, meu caro detrator, rato imundo, se tem alguma coisa para falar contra a minha pessoa fale na minha cara ou publique suas acusações citando o meu nome e o seu. A partir dai resolvemos na Justiça. Mas largue a mão de ser MOLEQUE e passe a agir como HOMEM.

quinta-feira, julho 01, 2010

TERREIRO INVADIDO PELA PM

Não havia de minha parte intenção de voltar a escrever neste blog, já que, como dito na última postagem, estou envolvido com outros projetos, o que não quer dizer que deixei de ser umbandista.

De toda forma, a notícia que recebi através do twitter do Ricardo Barreira (@ricardobarreira), sobre a invasão de um Terreiro de Umbanda pela PM de Santa Catarina, me impulsionou a escrever novamente algumas linhas sobre o mal fadado "Movimento Umbandista".

Antes disto, porém, vamos falar um pouco sobre a ação desastrosa da PM no episódio.

A conduta dos militares, além de ILEGAL em todos os aspectos, foi uma demonstração clara de preconceito religioso, truculência e despreparo da Polícia Militar de Santa Catarina. A justifictiva apresentada pela PM de que invadiu porque não foi atendida e que isto foi necessário para "confirmar o flagrante", além de ABSURDA, é RISÍVEL.

ABSURDA porque, no que pese a alegação de perturbação do sossego, que é uma contravenção e não crime, a polícia não pode invadir nenhum local sem ordem judicial, exceção feita no caso em que os milicianos estejam CERTOS da ocorrência de CRIME em andamento ou para salvaguardar a vida humana.

Desncessário dizer que o caso em questão não se enquadram nas exceções.

Outro aspecto legal que deve ser questionado é: existe uma "Lei do Silêncio" em Jaraguá do Sul? Se não houver, convenhamos que um culto que se estende até às 22:30 horas está dentro do razoável. Quem já não teve de aturar festas de vizinhos que viram madrugada com música e conversa alta? Será que a PMSC invadiria uma festa, com um contigente tático, da mesma forma que fez com o Terreiro de Umbanda? Os incomodados vizinhos do Terreiro, seriam tão diligentes em chamar a polícia para acabar com aquela festa de aniversário de um de seus vizinhos?

Perguntas que, certamente, não terão respostas, já que o que ocasionou todo este lamentável episódio foi o preconceito dos vizinhos do Terreiro e dos policiais militares. Simples assim.

Aliás, um preconceito burro, estúpido, criminoso, de todas as partes envolvidas, desde os vizinhos até o comando da Polícia Militar de Santa Catarina que permitiu uma nota de esclarecimento absurda, sem noção mesmo, como a que divulgou.

Estranheza maior ainda, causa a inércia dos "orgão de cúpula" do Movimento Umbandista frente a estes atos preconceituosos e discriminatórios. Alguma federação, associação, conselho, ous eja lá o nome que dão para estas instituições que se dizem representativas (mas sabem bem qual é o verdadeiro interesse por detrás delas...) irão acompanhar o desfecho deste caso? Qual destes "orgãos" meterá a mão no bolso para contratar um advogado e acompanhar a sindicância, o inquérito, o processo.. seja lá o que for?

Eu mesmo respondo: NENHUM.

Estes orgãos, em sua maioria (e vista a carapuça quem quiser...), objetivam nada mais do que projetar seus líderes dentro da comunidade umbandista, afim de arrecadar dinheiro, conquistar poder e influência, mas sem nenhuma atitude prática e concreta. A maioria das federações, associações e, principalmente, alguns "conselhos" que surgiram de um tempo para cá, nada mais são do que poderosas máquinas de propaganda em favor do egos de uns e outros.

É nesta hora que os "tans", "shans", "piagas" (ou serão "piadas") deveriam sair dos seus feudos, de suas roupas de linho, parar de se esconder atrás de listas de discussão e fazer algo de concreto em relação a este tipo de ocorrência.

Os "paladinos da umbanda" do orkut, aqueles que se acham no direito de caluniar e difamar, que se dizerm "defensores da religião", deveriam, igualmente, largar da covardia que lhe é peculiar e ir à luta para fazer algo pela religião de veradade, ao invés de ficarem como lavadeiras fofoqueiras em sites de relacionamentos.

Enfim, larguem desta postura virtual, falsa, corrupta, fingida de "defensores da umbanda" e façam, realmente, alguma coisa em pró da religião, corja.

domingo, novembro 29, 2009

CADÊ UMBANDA?

Este blog, que antes era a minha obsessão, passou a ser mero "vaso" guardando alguns anos de minhas impressões e lutas no que alguns chamam de "Movimento Umbandista".

No passado frequentava, anônimo, dezenas de listas de discussões, incluso as mais famosas e antigas, ávido por a quantas andavam as coisas dentro do "movimento". O que via, dia após dia, eram as mesmas mentiras, manipulações, culto ao ego de uns e outros, lutas entre facções, discursos hipócritas e um "idiota ovino" tratando os demais listeiros como crianças de jardim de infância, sempre colocando a si e aos seus "irmãos" de uma determinada "ordem iniciática" (que deveria se chamar "caos iniciático"...) como o supra-sumo da Umbanda.

Neste tempo todo fui ameaçado, caluniado, difamado... aliás, continuo sendo, só que decidi que nenhum tipo de postagem, seja em blogs ou comunidades virtuais, contra a minha honra pessoal, ficará sem resposta.

Atualmente, existem três processos de indenização contra a Google Internet do Brasil, por postagens caluniosas e difamatórias contra mim no Orkut e em blogs hospedados no "Blogspot". Na seara penal, mais quatro processos tramitam, inclusive contra "figurinhas fáceis" do meio virtual, onde mais de trinta pessoas estão sendo investigadas e mais da metade já teve dados pessoais e de acesso fornecidos pelo próprio Google e outras empresas como, por exemplo, o Yahoo.

Somente de multas por descumprimento de ordem liminar, a Google pode vir a pagar R$ 9.600,00 à mim, sem prejuízo de eventual (e certa) condenação nestes processos. Obviamente, que assim que tiver os dados dos quadrilheiros, verdadeiros bandidos, forem disponibilizados nos autos eu os processarei por perdas e danos morais.

O mais interessante é que a bandidagem virtual não faz distinção de social ou territorial. Temos um advogado de Vila Velha/ES na lista, um idiota que se técnico de informática de Vitória do Santo Antâo/PE, um homossexual metido a "mestre de iniciação" de Belo Horizonte (junto com seus comparsas), gente do Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Porto Alegre. Um verdadeiro apanhado de BANDIDOS, travestidos de religiosos, de todo o país.

Faz muito tempo que não existe mais "impunidade" na rede mundial de computadores, ainda mais quando o caso é de "lammers" e não de "hackers" profissionais. Estes idiotas sempre acharam que eu estava "morto", que jamais reagiria frente aos insultos porque sempre consideraram que eu tinha algo a perder ou temer.

Erraram, o que também demonstra que Entidade, que é bom, estes imbecis não tem nenhuma na "cabeça", pois se tivessem teriam sido avisados que era briga ruim comigo.As comunidades de Umbanda do Orkut e de outras comunidades virtuais, com raras exceções, se prestam a tudo, meno a discutir, com seriedade e profunidade a religião. São um antro de fofoqueiros, bandidos e caluniadores.

Então, pergunto: CADÊ UMBANDA?

Umbanda ?!?

Ah!, Umbanda... com certeza passa a anos-luz de distância desta corja.

quarta-feira, setembro 23, 2009

TOMANDO AS DORES

Esta é uma daquelas postagens rápidas, já que meu tempo continua exíguo e não estou, realmente, dispondo dele para atualizar o blog.

Em primeiro lugar, quero agradecer os quadrilheiros do Orkut e listas de discussão.

Hoje, por conta das calúnias, injúrias e difamações constantes patrocinadas pelos meus antigos e novos desafetos, o Google foi condenado a pagar uma multa (que será revertida ao meu favor...) de R$ 5.200,00 (cinco mil e duzentos reais) visto que a empresa descumpriu ordem em sede de liminar que determinava a retirada de postagens ofensivas à minha honra em determinada comunidade daquele site de relacionamento.

Obrigado, de coração, meu caros inimigos, já que os crimes que há anos vem comentendo contra mim, começam a me render frutos consideráveis. Note que isto é somente a multa, já que o mérito da ação ainda não foi julgado. Este dinheiro chega em boa hora, já que se aproxima o aniversário do meu filho e, com certeza, quando estiver usufruindo deste numerário lembrarei de cada um de vocês. Afinal sem atitudes estúpidas e ilegais como as suas, eu não estaria engordando minha conta bancária tão facilmente. =)

Em segundo lugar, gostaria de avisar ao tal de Elio Aquino, vulgo "Élio da Oxum", que também, se apresenta como "Cigana Soraya" nas comunidades do Orkut, que eu não visito Terreiros faz alguns anos, não sei de nenhum Sr. Sultão das Matas no bairro Santa Cruz, portanto, nunca estive lá e, hoje mesmo, já apresentei queixa-crime contra a sua pessoa junto ao Fórum local, afim que explique sua postagem em determinada comunidade do Orkut.

Quanto a eu me achar o tal atrás de um PC, caso você seja homem o suficiente (coisa que eu acho difícil...) basta me procurar pessoalmente e verá que não tenho a mínima razão de temer você ou qualquer outro idiota que se acha "o justiceiro da umbanda".

Em relação ao CONUB/MG, estou me lixando para tal orgão, que não reconheço como representante de nada, exceto dos interesses da OICD/FTU em Minas Gerais. Aliás, como você menciona tal instituição em sua postagem, resolvi que pedirei a Justiça para intimar o representante da mesma em âmbito nacional e regional para explicar as providências ou qualquer outra medida legal que tenha tomado contra a minha pessoa e por qual motivo.

Para finalizar, quero reiterar minha palavras de alguns posts passados: se alguém tem algum problema para resolver comigo, seja civil, militar, macumbeiro, quadrilheiros, ou a merda que for, meu endereço está na lista e minha agenda até o mês que vem publicada. Basta me procurar pessoalmente, ao invés de ficar falando merda em comunidades virtuais, escondidos atrás de fakes, e vamos resolver qualquer coisa, de qualquer jeito que desejarem.

Aconselho, por fim, aos incautos, que não comprem briga que não é de vocês, já que não vou titubear um minuto em abrir quantos processos criminais forem preciso contra quem quer que seja, independente de trabalharem no Comando da Polícia Militar, ser Zelador(a) de Santo, presidente de alguma instituição fantoches, advogado, alabé ou seja lá o quão importante acham que são.

Novamente agradeço o presente que suas atitude imbecis renderam e ainda renderão à mim.

terça-feira, setembro 15, 2009

BALAIO DE GATO (OU SERIA DE IDIOTAS?!?)

Balaio de gato é uma expressão popular bem conhecida para indicar “confusão”.

Imagine muitos gatos, seres normalmente muito ativos, que não aceitam nenhum tipo de imposição ou clausura (já experimentou colocar um gato em um espaço todo fechado ou em uma coleira?) junto com outros tantos, dentro de uma pequena cesta. O resultado, podemos prever, não será dos melhores.

É o que vem acontecendo, na verdade, no meio das comunidades virtuais e listas de discussões quando o assunto está relacionado à minha pessoa e ao meu trabalho dentro da Umbanda.

Existem um monte de pessoas que nunca tiveram nenhum tipo de contato pessoal ou virtual comigo, que nem sabem por quantas andam as coisas e ficam nas comunidades dos quadrilheiros do Orkut e em listas de discussões replicando as calúnias e a difamação contra mim, inclusive inventando situações que jamais ocorreram, simplesmente para seguirem uma "maré", perigosa diga-se de passagem, de falar contra a honra e a dignidade de outrem.

Hoje me deparei com uma postagem de um tal "Marcus Tommé de Souza", que usa o vulgo de "Soraya", que afirma que eu havia procurado o "espaço dele" (leia-se, um buraco nomeado como "terreiro de umbanda") e de lá fui expulso a ponta-pés. Este é o típico idiota que entra em uma briga que não é dele, simplesmente para aparecer para seus pares, se fazer de importante e, por isto, será processado civil e criminalmente.

Agora eu pergunto: o que leva um sujeito a atacar uma pessoa que jamais viu, com a qual não teve nenhum problema, que jamais a viu tão gorda, ainda mais quando esta atitude caracteriza crime?

Ao invés do sujeito cuidar da vida dele, entra em um jogo perigoso deixando-o vulnerável a processos criminais e cíveis, à troca de absolutamente nada, simplesmente para aparecer em meio a uma comunidade virtual de gente desequilibrada, para ser "igual" e fazer a propaganda do "espaço esotérico" que ele, carinhosamente, apelidou de "Portal das Trevas".

E a cada dia, mais e mais idiotas entram, voluntariamente, neste imenso "balaio de gatos" composto por pseudo-umbandistas e de pessoas que nada melhor têm para fazer de suas vidas miseráveis do que ficar em comunidades virtuais levando adiante uma corrente de calúnias, difamações, ódio, intrigas.

O mais engraçado é que dizem estar fazendo isto pela "ética umbandista", para "combater marginais virtuais", mas sem se preocuparem deles mesmos estarem cometendo crimes continuados que, se não os levarem ao cárcere, renderão muita dor de cabeça e gastos com advogados, indenizações, multas e tudo mais.

Alguns fecharam comunidades, deletaram perfis, se esquecendo que o Orkut tem a obrigação legal, conforme previsto no Termo de Ajustamento de Conduta que assinou com o Ministério Público Federal, de manter os dados dos usuários por seis meses em seus bancos de dados, a contar da data que eles forem deletados.

Nos processos criminais e civeis que movo contra alguns idiotas, já houve a determinação que o Google Brasil informe os dados de mais de 30 (trinta) pessoas à Justiça. Alguns estão sendo investigados não somente por conta dos crimes contra minha honra, mas também por formação de quadrilha ou bando com o intuito de cometer crimes.

A pergunta que fica é: vale a pena o risco de ser processado criminalmente?

Não estou para brincadeiras e, sinceramente, cansei de esperar que estes idiotas usem de bom senso e se esqueçam de minha existência.

Portanto, estou comunicando publicamente que vou processar cada pessoa, seja quem for, com o título ou profissão que tenha, de onde for, que eu tenha conhecimento de estar denegrindo minha imagem por qualquer meio. Não adianta deletar comunidades e/ou perfis, porque tenho, em alguns casos, todos os tópicos devidamente impressos e autenticados, assim como os perfis.

Algumas pessoas do meu relacionamento também fazem parte de comunidades fechadas somente à membros (em algumas tenho bogus meus, Luiz Cláudio...) e estamos colhendo todo e qualquer material e encaminhando às autoridades.

Assim que forem formalmente indiciadas, entrarei com processo cíveis por danos morais contra cada uma destas pessoas, sejam 30 ou 30.000, sejam elas advogados, desembargadores, juizes, policiais ou meros pés-rapados.

Vou postar aqui o número de cada processo, com o link para o informativo no Juizado Especial ou Fórum, deixando claro que não movo processos judiciais para perder. Realmente, mexer comigo é mau negócio em todos os sentidos.

domingo, setembro 13, 2009

SERENIDADE DO GUERREIRO

Depois de um final-de-semana cheio de atividades com a minha Tropa Escoteira resolvi, pouco antes de me recolher para um merecido descanso, atualizar o blog.

Como já perceberam meu tempo anda muito escasso, já que tenho me dedicado mais ao meu lado profissional e minhas atividades pessoais (novo relacionamento, escotismo, vestibular, ações na Justiça contra quadrilheiros religiosos, etc...) do que monitorando esta "Umbanda de Todos Nós" como era meu hábito.

Durante as atividades deste final-de-semana, encontrei um velho amigo, de muitos anos, Umbandista (daqueles de Sete Costados...) que tem acompanhado meu blog anonimamente.

Naquela reunião de sábado, dentro de um quartel da Polícia Militar (sede de um determinado Grupo Escoteiro, de uma cidade do interior...) ele me fez ver como é são muito mais covardes do que eu pensava aqueles que andam por ai, em nome da Umbanda, divulgando calúnias, difamações, injúrias contra outras pessoas, alimentando guerras fatricidas, cisões, desunião, desentulhando seus mentais e frustrações através de postagens anônimas em sites de relacionamento e listas de discussões.

Dizem poder provar as "denúncias" que fazem, mas quando percebem que aquele grande braço da Lei está em seus encalços, deletam perfis, fecham ou deletam comunidades, provando que não passam de fofoqueiros, caluniadores, liderados por um homossexual metido à "mestre" que, porém, jamais recebeu tal outorga.

Nada contra os homossexuais, diga-se de passagem.

Aliás, tenho muitos conhecidos que o são, mas que agem com dignidade e honradez, diferente do traste que envergonha uma minoria que sempre foi perseguida, desrespeitada e que vem conquistando espaço e direitos no mundo moderno.

Não faz muito tempo uma participante da quadrilha, com o pseudônimo "Fênix" e que vive falando em nome da Ordem Iniciática do Cruzeiro Divino (deixando claro que não posso afirmar que ela fala em nome de tal Ordem com ou sem conhecimento dos responsáveis. Isto o inquérito policial que está em andamento determinará) afirmou que "advogados, juízes, desembargadores e profissionais da polícia" estariam "loucos para colocar as mãos em mim".


Pois bem...

Em outra postagem deixei minha agenda junto ao Pode Judiciário até o final do mês de outubro, sendo que alguns destes compromissos já foram cumpridos por mim. Passei um final-de-semana inteiro dentro de um batalhão da Polícia Militar em atividade escoteira e... NINGUÉM ME INCOMODOU.

Sou um cara tão procurado, por tantas autoridades, mas meus inimigos, mesmo sabendo ondem estarei com antecedência de meses, não informam à quem de direito onde o Poder Público pode me achar. E olha que sempre estou indo ao Fórum, ao Juizado Especial Cível e acompanhando, de perto, os inquéritos abertos na Polícia contra os quadrilheiros do orkut e de listas de discussões.

O que eu posso dizer é que estou como o leão da foto que ilustra este texto: sereno, tranquilo e tocando a minha vida sem temer a polícia ou a Justiça, já que nada devo à ninguém, em especial ao Poder Público. De toda forma, a agenda que postei há um mês continua valendo, basta que a passem a alguma autoridade que esteja procurando por mim.

Em falar em Justiça, são mais R$ 2.000,00 (dois mil reais) de indenização que ganhei da VIVO/Telemig Celular junto ao Juizado Especial Cível. E novamente agradeço aos quadrilheiros do Orkut por disseminarem tantas mentiras ao meu respeito nos sites de relacionamento, já que estas atitudes estão me rendendo dividendos consideráveis na justiça e, com certeza, renderão mais quando os processos civeis forem contra vocês.

sexta-feira, setembro 11, 2009

DA SÉRIE "UMA IMAGEM VALE MAIS DO QUE MIL PALAVRAS": EM UMA CERTA IGREJA PENTECOSTAL...

Antes de mais nada, quero pedir desculpas aos meus leitores pela falta de atualização do blog. Como disse anteriormente, estou extremamente envolvido em projetos profissionais, além dos muitos pessoais.

Meu tempo anda escasso para ficar esmiuçando este verdadeiro esgoto em que se transformou o tal "movimento umbandista"e postando aqui minhas impressões. Aliás, tenho estado muito ocupado também lidando com os quadrilheiros virtuais, o que me fez, inclusive, viajar à São Paulo e ao Rio de Janeiro para conseguir dados pessoais e levantar provas contra esta corja.

Como bons ratos que são, bastou que eu publicasse aqui os números dos processos e as decisões judiciais em desfavor deste bando que foi um tal de apagar perfil e colocar comunidades fechadas por todo o Orkut. Mas isto não adianta, visto que tenho pessoas dentro destas comunidades, que sempre estão me enviando telas e outras informações de interesse da Justiça e da Polícia. A batata de vocês está assando, meus caros...

Em rápido giro que dei por listas de discussões, fóruns e comunidades virtuais, constatei que tudo continua na mesma, com exceção de um certo "AlcaParras" que agora lancçou um livreto de 86 páginas com grande alarde, inclusive se colocando como "sacerdote de Umbanda e Kimbanda" e, para variar, babando os ovos do mestre da Vila Alexandrina.

Tudo como dantes no reino de abrantes...

Enfim, para uma postagem que deveria ter mais imagens e menos palavras, já escrevi demais. Deixo o amigo leitor com este hilário vídeo feito em uma Igreja Pentecostal qualquer:

domingo, agosto 02, 2009

O ESGOTO CHAMADO MOVIMENTO UMBANDISTA

As coisas continuam de mal à pior no assim chamado movimento umbandista.

Com raras e honrosas exceções, o que vemos hoje em dia é um interesse comercial em tudo que é relacionado com a Umbanda e cultos de matriz africana de forma geral. Apesar de não ser o melhor dos negócios, vemos todos os dias novos "escritores" umbandistas lançando livros (em sua maioria sofríveis, sem conteúdo algum, verdadeiro lixo literário), mas que criar uma espécie de "status quo", tranformando qualquer um que lance uma obra com receitas de feitiço em "autoridade religiosa".

Nem preciso falar sobre as deturpações no meio, como rituais tântricos, onde "mestres" com títulos pomposos e cara de "bom moço", promovem verdadeiras orgias em seus "santés", escolhendo as incautas mais bonitas e interessantes para receberem o "àsé" diretamente da "vara tântrica" do suposto "mestre".

Muitos hipócritas, fariseus de plantão, ficam nas listas de discussão falando sobre pessoas que cobram para isto ou aquilo dentro da Umbanda e do Candomblé, gritam por caridade, mas fazem de tudo para esconder suas práticas de cobranças pesadas de "lei de salva" para os mais variados fins. Isto sem falar nos cursos, workshops, escolas e tudo mais que pipocam à todo dia.

Não que eu seja contra a cobrança de Lei de Salva, pelo contrário.

A cada dia me convenço que em tempos de "umbandistas de cristal" e, principalmente, gente de duas caras, o certo mesmo é cobrar, e alto, para evitar que parasitas deste nível se aproxime de você com o intuito de conseguir o que deseja para depois, na maior demonstração de cretinice, o apunhale pelas costas. Se quer se beneficiar do seu conhecimento para depois conversar fiado, que pelo menos pague alto para ter uma bela casa, liberar aquele dinheiro na justiça ou seja lá o que for.

A tal "tolerância" e "convivência pacífica", como várias vezes escrevi aqui, não passa de palavras bonitas, mas sem nenhuma aplicação prática. Os que lançaram tais conceitos no meio umbandistas continuam os mesmos intolerantes de sempre, atacando à tudo e todos que discordem de seus conceitos e práticas e, principalmente, que seja concorrente comercial, atrapalhando o movimento do seu caixa.

A covardia também é marca registrada no meio.

Existem alguns "paladinos" que apesar da postura saneadora, de denúncia, precisam se esconder por detrás de fakes no orkut e listas de discussões. Posso citar, por exemplo, um tal "treme-terra", alter-ego de uma advogado porta-de-cadeia da cidade de Vitória/ES, notório por criar confusões com todo mundo, ser um dos maiores caluniadores e difamadores das comunidades do Orkut. É tão íntegro, tão honesto, que precisa de se esconder atrás de fakes e testas-de-ferro para destilar o seu veneno.

Temos um outro aqui mesmo em Belo Horizonte, que usa a alcunha de "aquarius", cuja a falsidade de ações é tamanha que nunca sabemos quando está contra ou a favor de alguém. O sujeito, apesar de se dizer de "Umbanda Esotérica", vive recebendo uma "pomba-gira" em seu minúsculo "santé", onde o mesmo se "monta" com vestido, salto alto, maquiagem e todo os acessórios. Quem viu garante que não sabe distinguir se a "aparição" é de um médium incorporado com uma entidade de fato e de direito (o que eu duvido), se é uma "drag queen" (não acredito, já que estes são artistas) ou apenas um mistificador travestido de mulher e que vive de trabalhinhos, defumações e tudo mais ( o que acredito ser o mais aplicável ao caso).

E o que estas duas pessoas tem em comum?

Posam de defensores da moral umbandistas, fomentam calúnias e difamações e degladiam-se entre si. Na verdade, mera disputa comercial, para ver quem fica com mais clientes, quais serão os otários que encherão seus bolsos.

Agora temos sites e blogs de "umbandistas" que defendem, abertamente, a pirataria, que acreditam que podem simplesmente copiar obras protegidas por direitos autorais, disponibilizar quando e onde quiser e que ainda estão agindo corretamente: errados são os autores e editoras que vendem os livros, que gastam tempo e dinheiro para lançar uma obra para qualquer um vir copiar e dispor como se dele fosse.

Mas depois de ler que de acordo com a lei os autores de obras psicografadas não têm direito à proteção autoral, isto vindo de alguém que trabalha em um escritório de advocacia, qualquer coisa me parece possível neste mundo sujo chamado "movimento umbandista".

Particularmente, estou me afastando cada dia mais desta podridão criada por homens. Não quero saber do movimento umbandistas, somente da Umbanda.

sexta-feira, maio 08, 2009

POEMA DE UMA RIMA SÓ (OU POEMA SEM RIMA PRA VOCÊ)

Navegando nesta infinita "matrix", deparei-me com o blog da poetisa Sandra Regina de Souza com o seu "poema de uma rima só".

Ao ler e reler, senti que estava diante de um resumo, um texto que, sob a inspiração do breve, sintetiza o estado de coisas no movimento umbandista, em especial no que diz respeito aos recentes bate-bocas entre "líderes", as "notícias alvissareiras", o culto à personalidade e a hipocrisia que viceja entre nós.

Bastou que eu acrescentasse a palavra [Umbanda], que o poema fez todo sentido para a nossa realidade e, o mais importante, não perdeu a rima.

Como a alma
anda farta
dessa farsa...
sem graça...
Como amarga
a palavra falsa
que se afasta...
quando você [Umbanda]
me falta.

(Sandra Regina, "Feita em Versos")

segunda-feira, maio 04, 2009

ANOS DE CHUMBO, ANOS DE DÚVIDAS

Atualmente vivemos "anos de chumbo" na Umbanda.

De um lado temos todo a estrutura de propaganda da OICD/FTU, com seus lacaios de sempre, impondo sua visão sobre a Umbanda, pretensiosamente querendo ensinar o que é ou não próprio ou correto dentro da religião, evocando a "academia" (para referir-se à FTU), usando-a como substrato para mudar conceitos, preceitos e enfiar "guela abaixo" da comunidade umbandista uma "neo-umbanda", dentro da visão megalômana de Rivas Neto. Do outro uma pequena, mas ativa oposição que vem ganhando espaço no meio.

A FTU não se trata de uma instituição que pretende alavancar a Umbanda como religião, "diminuir a distância entre o centro e a periferia", ou seja lá qual frases feitas, repetidas à exaustão por seus asceclas nas listas e comunidades virtuais, tentam traduzir o espírito da faculdade. Em verdade, a FTU trata de ser a grande "arma" de Rivas Neto para justificar as suas idéias academicamente e seguir com seu plano de dominação da religião.

Perceba que desde a criação da FTU, toda idéia que vem dele tem a chancela da faculdade. Outrora Rivas Neto baseava suas idéias e doutrinas no "mundo astral superior", que sempre estava pronto, frise-se, a mudar tudo com o argumento de que as "verdades são temporais".

Obviamente que esta "doutrina camaleão" nunca o levou a ter grande credibilidade no meio umbandista, por isto fundou a FTU e, assim, passa a ter suas idéias embasadas na "ciência" ensinada por uma instituição superior, com reconhecimento oficial. O que as pessoas se esquecem é, que a apesar do pioneirismo, há de se reconhecer, da criação de uma faculdade umbandista, o que vemos na FTU nada mais é do que uma visão teológica de seu fundador, por mais que ele insista em afirmar que trabalha com a "diversidade" das doutrinas umbandistas.

A teologia, de qualquer religião, não é algo fechado, engessado.

Vemos isto, por exemplo, nos seminários ligados aos movimentos protestantes, onde várias denominações (batistas, metodistas, presbiterianos, luteranos, etc) partilham de vários entendimentos comuns, mas divergem teologicamente de tantos outros. Por isto que este papo de "academia" partindo de Rivas Neto e o seus, como se a FTU fosse a panáceia para a confusão teológica do mesmo, que tudo que vem de lá é a verdade, visto que é uma instituição de ensino superior reconhecida pelo MEC, é uma tremenda FALÁCIA.

O que Rivas Neto tem feito é uma verdadeiro desmonte da religião. Atualmente, tenta por todo custo retirar a legitimidade da manifestação do Caboclo da Sete Encruzilhadas e a autoridade de Zélio de Moraes, como marco inicial o (re)surgimento da Umbanda no orbe terrestre. A idéia é simples: desautorizando o Caboclo das Sete Encruzilhadas e seu médium, ele pode fazer um "link" com as tradições africanas e, assim, justificar algumas práticas estranhas aos conceitos deixados por Zéilio como é o caso da matança de animais que ele passou a praticar com afinco nos rituais da OICD e nos ritos promovidos pela FTU.

Sinceramente, impressiona a cara-de-pau dos "arautos" da Vila Alexandrina em cobrar coerência de Rubens Saraceni e de outros desafetos do seu mestre, já que até hoje nenhum deles veio à público explicar as óbvias, GRITANTES, CONTRADIÇÕES entre o discurso (vide a "portentosa" obra "Umbanda - A Protosíntese Cósmica") e as práticas intramuros de Rivas Neto e os seus, destacando, novamente, a matança de animais, uso de cocares e roupas "especiais' para as entidades manifestadas, atabaques, mestres do Catimbó e tudo mais que há pouco tempo eram coisas de "kiumbas" e agora passam a ser algo do "astral superior".

O Mestre da Vila Alexandrina, o "pai dos humildes", o "umbandista de mão cheia", continua insistindo ser o sucessor de Matta e Silva, Mestre Yapacani, fazendo, através do seu "relações públicas", menções a documentos publicados em seus livros que legitimariam esta condição, apesar de todos os outros Mestres, que pisaram nas areias sagradas da Tenda de Umbanda Oriental de Itacurussá, afirmarem, em uníssono, que Arapiaga não tem esta condição.

De toda forma, Arapiaga afirma em sua obras que tem um video que comprova a transmissão do comando vibratório da Raiz de Pai Guiné d'Angola à ele. Só que este vídeo NINGUÉM nunca viu. Tenho contato com uma dezena de dissidentes da OICD, gente que ficou por lá dez, quinze anos, inclusive sendo elevados ao grau de Mestre, que nunca colocaram os olhos nesta fita. Aqui mesmo, neste espaço, já desafiei Rivas Neto a disponibilizar este registro à comunidade umbandista e ele, até o momento, dez anos depois, nunca o fez.

A pergunta que fica é: o que o impede de publicar tal vídeo? Hoje em dia, até meu filho de oito anos consegue digitalizar o conteúdo de uma fita VHS portanto não é falta de condições técnicas para tanto. Espaço para a disponibilização, inclusive gratuita, tem de sobra. Então, por que cargas d'água, o povo da Vila Alexandrina não coloca este video no ar, com imagens e, principalmente, áudio de qualidade, onde veremos e ouviremos a transmissão de comando da Raiz?

A atitude da OICD/FTU é sempre arrogante e contraditória.

A arrogância está presente nos inúmeros emails, em especial do Sr. João Carneiro, que abusam de nossa paciência diuturnamente. Além da verboragia e da prolixia inútil, o que já foi alvo de críticas por parte de muitos participantes de listas, o tom professoral como se estivesse se dirigindo a um bando de ignorantes ávidos pelas revelações vindas do "semi-deus" da Vila Alexandrina, a exigência de explicações sobre atitudes, doutrinas e contradições, mas nunca encaram suas próprias mazelas.

As mensagens querem sempre nos dar uma única impressão: tudo vem da OICD/FTU é verdade absoluta, Rivas Neto é incapaz de errar e tudo que a "academia" publica ou faz é com as bençãos dos Orixás. Em resumo, a OICD/FTU, capitaneada por Rivas Neto, é a "salvação" da Umbanda.

Isto sem falar na forma infantil, idiota mesmo, que o relações públicas exorta os participantes ao debate. Parece uma professora de meia-idade de um jardim de infância qualquer, ao terminar seus emails com imbecilidades do tipo "vamos dar nossa opinião?", "vamos participar do debate?". Qualquer dia destes, não duvido, ele vai exortar ao listeiros, que trata como retardados, a chamar "papai e mamãe" para assistirem os espetáculos egolátras e mambembes de seu mestre.

As contradições, como já exposto várias vezes neste espaço, são inúmeras. Nunca o prolixo relações públicas "multi-instituições" veio a público explicá-las. E sabe por quê? Novamente pela arrogância. O semi-deus da Vila Alexandrina e seus lacaios não acreditam, devido a pseudo-superioridade que acreditam ter, que existam contradições em suas obras. Tudo que vem dali é perfeito, a última palavra e nós, reles mortais, devemos render homenagens.

Mas tem algo que me deixa MUITO satisfeito: tenho incomodado esta turma, ao ponto de estarem sempre esperneando e respondendo, mesmo que indiretamente, as coisas que escrevo aqui. Se perdem tempo de responder ao que escrevo, é porque acreditam que isto pode trazer algum prejuízo à sua imagem e planos no meio umbandista. Os chiliques de alguns "mestres", realmente, me trazem imensa satisfação.

Não se iluda, caro leitor.

Estamos, realmente, vivendo "anos de chumbo" na Umbanda, visto que todo esta conversa da OICD/FTU não passa de uma imposição ditatorial-acadêmica ao meio umbandista. Basta que você passe a analistar, de forma profunda, as atitudes desta tuma da Vila Alexandrina para constatar que este papo de "diversidade", "convergência, "tolerância irrestrita" e toda a verborrágica hipocrisia vinda daquelas paragens, vem carregado de raciocínio condicional.

A diversidade e a tolerância irrestrita da OICD/FTU, assim como o que é certo ou errado dentro do movimento umbandista, estão condicionadas, claramente, ao que o "semi-deus" da Vila Alexandrina achar pertinente e verdadeiro.

Fazendo minhas as palavras de Alexandre Cumino em recente mensagem às listas, encerro este artigo:

"Sempre entendi que o respeito não comporta a palavra "MAS". Quando digo 'respeito, mas'... já não tem respeito...".

sábado, abril 25, 2009

EGOLATRIA, CRÍTICAS "DESTRUTIVAS" E ARGUMENTOS

O líder da extinta banda "Legião Urbana", Renato Russo, foi um dos maiores egolátras que este país já conheceu. Chegava ao ponto de exortar o público para adorá-lo e amá-lo, além de se considerar "a voz" entre os artistas brasileiros.

Mas Russo era da classe dos artistas, pessoas que, em geral, acreditam ser uma dádiva de Deus para a humanidade, uma espécie de "manah" enviado diretamente das regiões celestiais sem o qual nós, os reles mortais, não poderiamos sobreviver.

No mundo artístico isto é normal, mas tal conduta não deveria ser em meio a uma religião cujo o foco principalmente é a igualdade e a humildade como é o caso da Umbanda.

Como venho há tempos dizendo neste espaço, o movimento umbandista tem ido ladeira abaixo, seguindo rumos bizarros no que tange a sua ritualística e identidade, sendo que as pessoas estão mais preocupadas em se alinhar a este ou aquele "líder", receber afagos, fazer parte de conchavos, aparecer em jornalecos e revistas tendenciosas do que, efetivamente, "fazer" Umbanda.

Em verdade, temos montes de egolátras no movimento umbandista, sendo que alguns têm meramente pretensões políticas (a todo custo desejam uma cadeira em uma Casa Legislativa qualquer...), outros querem vender seus livros e cursos e, mais outros, desejam ser o "papa" da religião. Os "menores", contentam-se em aparecer em vídeo-conferências, serem fotografados em ritos de "exu", com suas capas e cartolas, ou com "cargos-fantoches" em uma instituição "umbandista" qualquer.

Ao final, o que estas pessoas têm em comum é a necessidade de que alguém diga à elas o que fazer, no quê acreditar e seguir. São meros fantoches que se ajoelham diante de pseudos-líderes e clamam por iluminação, salvação e revelações fajutas do Astral que, em geral, se contradizem com o tempo.

Aliás, está ai uma coisa que não consegue entrar na minha cabeça: como seguir um Mestre que ontem disse ter recebido "X" do "Astral Superior" e hoje pratica "Y". A explicação (idiota, diga-se de passagem) para isto é que as revelações do Astral são temporais, mutáveis.

Isto parece conversa de evangélico que ao ser perguntado sobre a base para o monte de bobagens que vemos atualmente nas igrejas, algumas claramente proibidas no texto bíblico, justificam dizendo que Deus determinara aquilo dentro do "contexto da época".

Particulamente, não acredito em um Deus ou Astral Superior que contextualiza seus ensinamentos e ordenamentos. Seres eternos com leis e ensinamentos mutáveis não faz o menor sentido, sob pena de, assim sendo, termos de ratificar a sentença de Nietchze: DEUS ESTÁ MORTO.

Não há como contextualizar, temporarizar o Mundo Espiritual. As Leis Espirituais não se adaptam a crenças, hábitos, moda, etnia ou qualquer outro tipo de relativismo humano, pelo contrário, nós é que devemos nos adaptar à ela.

Alguns dizem que a minhas críticas são "destrutivas", mas não as vejo assim. Apenas estou destoando do que noventa por cento dos umbandistas têm feito atualmente: concordar. A diferença é que discordo com base em argumentos, observações e não com falácias mascaradas atrás de textos rebuscados e prolixo como é o caso de muitos por ai.

O que vemos atualmente no movimento umbandista são, de um lado, espertalhões que se aproveitam da fama adquirida para ditar regras aos umbandistas e adjetivar aqueles que não concordam com eles disto ou daquilo. Do outro, vemos uma massa de cordeirinhos vestidos de brancos, com guias coloridas no pescoço, tentando de toda forma se alinhar com este ou aquele "líder", afim de não ficar isolado defendendo suas próprias convicções.

A maioria tem buscado o elogio fácil (e falso), o afago ao ego, os cargos em conselhos, federações e associações, nomes em destaque em listas e comunidades virtuais, uma chance qualquer para exibir seus rabos de pavões e faturar algum com a Umbanda.

É uma pena, realmente, que minha liberdade de expressão esteja limitada pela LEI, pois a quantidade de SUJEIRA dos bastidores do movimento umbandista nos últimos dez anos de que tenho conhecimento (e PROVAS), daria para fazer outro blog exclusivamente para tratar do assunto.

De toda forma, creio que seria inútil expor tais coisa visto que isto não abalaria a maioria dos umbandistas. Como disse certa vez um monge budista, com o qual debati em um programa de televisão: "A ignorância venda os olhos e o entendimento das pessoas. Grite ao ouvido de um ignorante a maior verdade do mundo e ele continuará impassível."

Palavras sábias do respeitável monge
.

quinta-feira, março 02, 2006

O UMBANDISTA ESTÁ NU !!! COMPLETAMENTE NU !!!

Alguns leitores devem estar estranhando o título deste artigo, talvez por não conhecerem (ou não se lembrarem) da velha fábula do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen chamada "A Roupa Nova do Rei".

Para refrescar a memória dos que já conhecem e dar uma noção para os que não, esta é a história de um Rei muito vaidoso, que sempre queria uma roupa mais espetacular e extravagente que a outra. Um dia apareceram dois estrangeiros, na verdade vigaristas, que se gabavam de fabricar os melhores e mais finos tecidos do mundo.

Não só os padrões e as cores eram fora do comum, como, também as fazendas tinham a especialidade de parecer invisíveis às pessoas destituídas de inteligência, ou àquelas que não estavam aptas para os cargos que ocupavam.

Na verdade era tudo um engodo.

Não existia tecido algum, mas mesmo assim o Rei, para não ser considerado uma pessoa sem inteligência ou inapto para exercer seu poder, assim como seus Ministros e demais participantes da Corte, fingiam enxergar tal tecido, chegando ao cúmulo do Monarca apresentar-se em público completamente nu.

Todos os cidadãos fingiam ver a "roupa nova" do Rei. Porém, uma criança que estava entre a multidão, em sua imensa inocência, achou aquilo tudo muito estranho e gritou:

- Coitado!!! Ele está completamente nu!! O rei está nu!!

O povo, então, enchendo-se de coragem, começou a gritar:

- Ele está nu! Ele está nu!

O que vem acontecendo dentro do atual Movimento Umbandista, salvo honrosas exceções é exatamente isto.

Muitos andam fingindo ver a "roupa nova do Rei", apenas para não serem adjetivados como retrógados, ineptos ou estáticos. Não importa se a doutrina "ontem" falava que isto ou aquilo era errado e que hoje, por força de uma "revelação" do "Astral superior", passa a ser o certo.

Questionamentos? Nem pensar.

Quando alguém, achando aquilo tudo muito estranho, ousa colocar em dúvida tais ensinamentos contraditórios passa a ser atacado das mais solertes maneiras possíveis. Os que se arriscam a tentar explicar as contradições, se perdem em retóricas vazias, em discursos prolixos que mais confundem do que esclarecem. Mesmo assim, entrelinhas, deixam claro que aqueles que não se curvam aos superiores e profundos ensinamentos do Mestre "X" ou "Y", não passam de pessoas sem a visão espiritual ideal, sem a percepção e até mesmo a inteligência necessária.

Enfim, "modus operandi" típico de fanáticos, ligados à "Mestres" que estimulam e encorajam tal fanatismo.

Saindo do campo doutrinário, vemos esta questão nas práticas e ritos. É muito comum vermos "médiuns" que se deixam levar por sugestões, afirmações e "exemplos" (por falta de palavra melhor) de outras pessoas.

Temos aqueles que ansiosos para receberem a "traquina" criança, o "poderoso" caboclo e o "humilde" Pai Preto (mas principalmente, o todo-poderoso "exu"), insistem em saber o nome de "suas" entidades, mesmo que não tenham sentido um mero "vento" da presença delas. O sacerdote, talvez levado pela vaidade de "tudo saber e poder", fornece vários nomes, induz o pobre médium a acreditar que aqueles que ele diz são os mentores da iludida criatura e, pouco tempo depois, já vemos o Pai "X", o Caboclo "Y" e o Exu "Z" se manifestando, com os mesmos nomes, do jeito que o cônscio "Zelador" descreveu.

Normalmente tais pessoas, no afã de "desenvolver as entidades", ficam por ai a pedir informações sobre elas, tais como ponto cantados, riscados, roupas, hábitos e até, pasmem, história de vida das mesmas. Recebem tais "informações" hoje, via listas de discussão ou comunidades de relacionamento na internet, e na próxima gíra tudo que "aprendeu" já fará parte da "portentosa entidade" que ela recebe.

Afinal de contas, em um meio onde se vive pregando humildade, tolerância, igualdade, etc, conceitos estes, como já disse em outro artigo, que a maioria que os prega e exige não têm a mínima noção de seu real significado e, pior, não o praticam no dia-a-dia, não enxergar "a nova roupa do Rei" é motivo de desconfiança, chacota ou inaptidão para o "cargo" de médium.

O médium de Umbanda deve antes de tudo apreciar, entender e ver a própria "roupa" que veste. Quero dizer com isto que devemos conhecer nossas limitações como pessoas, como seres espirituais e não buscarmos tentar ser mais do que realmente somos. O Templo Umbandista não é local para vaidades, fofocas, julgamentos de nenhuma espécie e sim um local de orações, onde a tão propagada (e tão pouca praticada) CARIDADE deve ser exercida.

Não se deixe levar pela vaidade de pompas, nomes, cargos, adereços luxuosos. Nenhuma Entidade de Fato e de Direito necessita disto. Estas são coisa humanas e não ligadas à Seres que há muito não resgatam na penumbra da forma.

Se assim não agirem e pensarem, por mais "bonitas" e "poderosas" que outros (ou você) julguem ser suas Entidades, corre-se o risco de um dia ouvir no meio da assistência:

"O Umbandista está nu !!! Completamente nu !!!"